‧ Envio Grátis ‧ Receba em 4 dias úteis ‧ 30 Dias para Trocar ‧ 2 Anos de Garantia ‧

O original casamento judaico

Todos sabemos que cada religião tem costumes, tradições e rituais próprios, específicos, que fazem do casamento uma cerimônia especial.

Neste texto vamos abordar as principais etapas do casamento judaico, um dos actos mais sagrados do judaísmo, assim, se você ainda não ouviu ou não leu nada sobre o tema, vai ficar a conhecer alguns aspectos e particularidades que pode, ou não, achar úteis.

Na verdade, há cada vez mais pessoas que não pertencem a comunidades judaicas nem seguem  preceitos do judaísmo mas que casam de acordo com a religião, a filosofia e o modo de vida do povo judeu, desde que se revejam nos muitos costumes e rituais judaicos dos tempos bíblicos.

Segundo a tradição judaica, a noiva é uma rainha e o noivo é um rei.

O Contrato

Reza a tradição judaica que o noivo elabora um documento escrito que assina juntamente com duas testemunhas, para estipular o preço que se dispõe a pagar ao pai da noiva em troca do seu consentimento, uma forma de compensar os gastos que a família da sua amada teve com ela até esse momento e de especificar as suas responsabilidades para com a sua futura esposa.

Após a leitura do contrato, os pais do noivo partem um prato de porcelana, para indicar que tal como a porcelana, o contrato de noivado quebrado nunca poderá ser consertado.

Depois, o noivo vai para casa de seu pai e juntos constroem um quarto, apelidado pelos judeus de câmara nupcial onde o futuro casal irá passar sete dias consecutivos em lua-de-mel.

O noivado pode durar dois anos, à distância.

Preparativos

Os pais acompanham os noivos até à Chuppah (a tenda onde se realiza a cerimónia e que simboliza a concórdia e a benção de Deus) segurando duas velas acesas que representam os entes queridos que faleceram.

A tenda é aberta nos quatro lados para indicar aos noivos a forma de adquirirem um lar arejado, puro, afectuoso e hospitaleiro.

Os noivos devem vestir roupa branca que simboliza a pureza, não devem usar jóias nem levar nada nos bolsos como prova do seu desinteresse pelos valores materiais, devem passar o dia em jejum, em oração, em reflexão espiritual e em actos de bondade conhecidos no universo judaico por tsedacá, para que possam despertar para uma nova vida sem pecados.

Os familiares, amigos e outros convidados de diferentes gerações, classes e estratos sociais, recebem os noivos à entrada da Chuppah numa cerimônia de saudações e cumprimentos chamada Cabalat Panim.

Depois disso, o noivo desloca-se até ao local onde a sua futura esposa está a receber as saudações para lhe colocar o véu sobre a cabeça. A seguir, a noiva recebe ainda a benção dos pais do casal.

Cerimónia

O casamento é celebrado na Chuppah por um rabino (sacerdote da religião judaica).

Durante a cerimônia do casamento, a noiva e seus pais têm de dar sete voltas ao redor do noivo, alusivas aos sete dias da Criação (uma tradição específica de comunidades judaicas ashkenazitas, ou, ocidentais), e todos os homens presentes para além de não se poderem sentar ao lado das mulheres têm de usar a Quipá, um chapéu de formato redondo, que para os judeus, significa a presença de Deus nas suas vidas.

Troca de votos de casamento

Ocorre particularmente entre judeus não ortodoxos e é realizada com pequenas frases. Esta prática não existe nos casamentos de judeus ortodoxos.

Troca de alianças

As alianças são obrigatoriamente de ouro e lisas e significam o vínculo eterno e o círculo sem fim. No momento da troca, os noivos têm de beber vinho da mesma taça como símbolo de partilha de vida.

A cerimônia encerra com música depois do noivo ter partido as taças de vinho com os pés, para simbolizar a retaliação à destruição do Templo Sagrado de Jerusalém.

Imediatamente a seguir, os convidados gritam “Mazal Tov” que significa boa sorte para o casal.

Núpcias

Antes das núpcias, a noiva deve tomar o micvé, o banho pós-menstrual, após o qual as mulheres podem voltar a ter contacto com os maridos, cujo objectivo é a purificação espiritual.

Em determinadas comunidades judaicas, o micvé é tido como um ritual semanal do Shabbat, o dia de descanso no judaísmo.

Bôda ou Buffet

Os alimentos Kosher que passam por uma rígida e credível supervisão, são os preferidos dos seguidores da Kashrut, o termo aplicado às leis dietéticas do judaísmo.

Festejos

Finda a cerimônia, o ambiente torna-se mais festivo e todos partilham com alegria não só as muitas músicas e danças com mensagens alusivas aos presentes, mas também um conjunto de símbolos próprios da religião judaica e ainda a tradição de levantar os recém-casados nas sua próprias cadeiras.

Posto isto, esperamos ter contribuído para o melhor esclarecimento dos nossos leitores relativamente às tradições, rituais e significados do casamento judaico, descritos sinteticamente no texto com base em escritos de vários especialistas em assuntos religiosos.